Bater em crianças

Bater em crianças
Caro Girola, tenho percebido que, quando o assunto é educação dos filhos, as pessoas têm opiniões diferentes, pois cada uma acha que a educação de qualquer filho tem de ser igual à educação que cada uma deu a seus respectivos filhos. E quando o assunto é bater ou não em filhos que fazem birra, daí a coisa é pior ainda. Alguns dizem que uma criança que não apanha quando pequena, vira um adulto complicado; outros dizem que quando os pais batem nas crianças, estas serão adultos violentos. O que há de verdade nessas afirmações? O que, enfim, a psicologia nos ensina sobre esse tema.
— Uma professora do Rio Grande do Sul

 

A punição corporal foi usada por muito tempo como uma forma normal de educar crianças e jovens, inclusive nas escolas. No século XX esta prática foi amplamente questionada pelos avanços da psicologia infantil e da pedagogia que passaram a considerá-la prejudicial e inadequada.

Várias vezes, nesta coluna, temos falado a respeito da importância dos “limites” para a educação dos filhos. Alguns pais consideram que “bater” é uma forma normal de impor limites. Os limites, no entanto, só fazem sentido para a criança se postos em um contexto ambiental e educativo no qual ela se sinta acolhida sem reservas e amada. Para que o “limite” preserve a sua função educativa deve poder “significar” alguma coisa para a criança e ser percebido como uma exigência da realidade, mediada pelos pais (ou educadores) em um contexto de confiança, sem o qual qualquer “apresentação” da realidade e portanto do limite é recebida como algo aversivo e persecutório.

Os pais “batem” nas crianças geralmente quando “perdem o controle” sobre a situação e sentem que sua autoridade e sua autoconfiança estão ameaçadas. Há uma sensação de perigo que provoca uma reação violenta de “defesa”. Aliás é muito comum, nesses momentos, que os pais “projetem” na criança aspectos não integrados do seu psiquismo, ou seja algo não resolvido dentro deles. Neste caso, “bater” ou tratar a criança com brutalidade não é um gesto educativo e sim uma reação raivosa que não tem nada de construtivo.

Outra coisa é um tapa na bundinha em uma situação em que os pais mantêm o controle. O tapa, neste caso, não visa machucar, e sim tem uma função simbólica, apenas para significar um “não” um pouco mais enérgico. Mesmo assim, é preferível que os pais possam ter autoridade suficiente sobre a criança, sem ter que recorrer à repressão física.

Paradoxalmente, a autoridade dos pais depende do afeto e da confiança que a criança sente neles e que não quer perder de forma alguma. Muitas vezes, um olhar severo é mais “duro” para a criança do que um tapa na bunda, pois traz a sensação de que o afeto dos pais está irremediavelmente perdido. Neste sentido, qualquer atitude “repressiva” deve ser dosada e sucessivamente aliviada uma vez que a situação se normalize, para que a criança possa perceber que não perdeu o afeto dos pais. Quando a criança acolhe o limite e se adapta às exigências da realidade, não adianta os pais ficarem de cara amarrada. É necessário, portanto, que os pais tenham uma maturidade emocional suficiente para poder desenvolver uma certa “continência”, evitando “revidar” os comportamentos inadequados da criança com agressividade e, pior ainda, rancor.

Author avatar
Roberto Girola
https://robertogirola.com.br
Usamos cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência.