Website de Roberto Girola - Psicanalista

O tratamento psicanalítico

Publicado em Psicanálise

O que é Psicanálise.

(C)  Texto extraído do site da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre

A Psicanálise consiste num método de tratamento em que analista e paciente empenham-se em um processo terapêutico, visando o alívio do sofrimento psicológico.

A ideia fundamental sobre como age esse tratamento está baseada no conhecimento de que as emoções e comportamentos dos indivíduos são, em boa parte, determinados por fatores inconscientes. Esses fatores podem ser impulsos, desejos ou temores que cada pessoa guarda dentro de si, sem, todavia, dar-se conta de sua existência. São sentimentos que não seguem a lógica racional consciente e, por isso, geram conflitos entre si ou com a própria realidade em que se situa o indivíduo. Os sintomas emocionais são manifestações destes conflitos, os quais moldam, também os principais traços do caráter de uma pessoa, isto é, sua maneira peculiar de levar a vida e estabelecer relações sociais e afetivas. Ter acesso ao inconsciente, desvendar os conflitos que atuam dentro da mente do paciente é o objetivo fundamental da Psicanálise.

Para que o tratamento Psicanalítico se desenvolva, é preciso que se assegure ao paciente um ambiente de privacidade, isenção, respeito e preocupação com seu sofrimento.

A frequência das sessões analíticas, o sigilo e a longa duração do tratamento colaboram para que o paciente possa se sentir livre para expressar seus pensamentos e sentimentos em um ambiente único. Assim não cabe ao analista exercer qualquer influência sobre os atos e decisões de seu cliente, uma vez que a psicanálise visa à compreensão, o que a diferencia de outras técnicas psicoterápicas ditas sugestivas ou de aconselhamento.

À medida que se liberta de conflitos ou inibições e com uma compreensão mais clara acerca de suas atitudes e reações, o paciente torna-se mais capacitado a tomar suas decisões em bases mais realistas, obtendo assim resultados mais satisfatórios do ponto de vista pessoal.

Leia mais ...

As pessoas Mudam?

Publicado em Outros

As pessoas mudam ou melhoram?

Mudar, melhorar, curar: é possível?

A pergunta abre duas possibilidades de entendimento. Pode esconder a angústia diante do “outro” que não muda e o desejo que ele possa mudar, ou então pode refletir a angústia diante da sensação de que mudar a si mesmo é muito difícil.

No meu livro “A psicanálise cura?” traço um percurso ao longo dos desenvolvimentos da teoria psicanalítica em busca da resposta que a Psicanálise dá em relação à possibilidade de “cura” de quem procura o processo terapêutico da análise.

Os termos mudança, melhoramento, cura, remetem à esperança que o ser humano possa dominar seus demônios internos e introduzem a primeira questão: o “desejo” de cura. Qualquer mudança supõe uma necessidade interna e um desejo de mudança. Neste sentido, não é possível mudar o outro. Apenas podemos apostar na possibilidade de mudar algo em nós mesmos, desde que percebamos a necessidade de mudar.

Leia mais ...

Terapia por computador

Publicado em Outros

Tratamentos psicológicos podem ser realizados por computador? Eles trazem os mesmos resultados? Joana Guimarães da Fonseca, São Paulo (SP)

Terapia por computador

O que caracteriza uma terapia psicanalítica, diferenciando-a de outros tratamentos? Ela pode ser realizada à distância? Freud falava de uma regra fundamental: o analisando deve dizer tudo o que lhe vier à cabeça, mesmo que se sinta compelido a omitir algo por considerá-lo supérfluo, ou vergonhoso.

Para Freud, a análise é um processo que leva o paciente a se deparar com o seu inconsciente, através da associação livre (aplicação da regra fundamental), mediante a interpretação do seu discurso, dos sonhos e dos atos falhos.

Leia mais ...

A terapia cura?

Publicado em Outros

Com a terapia é possível mudar ou o que ocorre é uma melhora?

A terapia cura?

 

Em primeiro lugar gostaria de substituir a palavra mudar por curar. Acredito de fato que a mudança esperada por quem se sente à mercê de funcionamentos psíquicos que o fazem sofrer e que atrapalham sua vida seja uma espécie de “cura”, algo que vai além da simples mudança de comportamento.

Para a Psicanálise essa questão se apresentou desde o início, diante da constatação do próprio Freud que em algumas circunstâncias havia uma forte resistência da mente à terapia. Vários casos clínicos relatados ao longo de seus escritos demonstram que nem sempre o pai da psicanálise se considerou bem-sucedido no seu intento de cura, O próprio título do famoso texto Análise terminável e interminável, que trata do fim da análise (e portanto do momento em que paciente e analista reconhecem que ela atingiu seu objetivo), diz que essa questão não era fácil de resolver. Freud se pergunta o que justificaria falar em fim de uma terapia, ou seja, qual seria o critério de cura. Diante dessa questão ele hesita, em algum momento chega até a dizer que o objetivo da Psicanálise não é propriamente curar e sim mapear o funcionamento mental. Em outro momento ele considera que “curar” e ajudar a pessoa a aceitar com menos infelicidade as dificuldades que a vida lhe apresenta.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS