Website de Roberto Girola - Psicanalista

Psicólogo, psiquiatra, psicanalista: quem escolher?

Publicado em Pagina Inicial

Frequentemente quando alguém procura algum tipo de ajuda terapêutica fica em dúvida. Quem devo procurar? Aqui vão alguns esclarecimentos para orientar a escolha do profissional certo. A escolha do profissional vai depender daquilo que cada um busca, mas para isso é necessário entender o que cada profissional oferece e sua orientação.

O psiquiatra é um médico, cuja especialização visa o atendimento de pacientes que apresentam problemas psíquicos e que buscam uma abordagem medicamentosa (somente o psiquiatra pode receitar remédio, nem o psicólogo e nem o psicanalista são habilitados para isso). Muitos psiquiatras também são especializados em algum tipo de abordagem de caráter psicológico e oferecem acompanhamento terapêutico ou trabalham em parceria com profissionais com orientação psicanalítica, cognitivo/comportamental, etc.. Por ser médico o psiquiatra tem um registro no CRM (Conselho Regional de Medicina).

O psicólogo é formado em psicologia, um curso superior que o habilita a diferentes atuações que envolvem conhecimentos da psique humana, que vão desde o trabalho em hospitais, corporações ou trabalho em clínicas particulares, de acordo com a orientação que escolheu durante o curso. Ao se formar, o psicólogo se filia ao CRP (Conselho Regional de Psicologia). Sua função é diagnosticar e orientar os que sofrem de algum tipo de problema psicológico. A atuação do psicólogo se foca no diagnóstico do problema e na elaboração de um prognóstico de cura. Muitos psicólogos também continuam seus estudos buscando uma formação complementar que os torna especialistas em uma das numerosas linhas de atendimentos psicológico, dentre as mais importantes a a cognitivo/comportamental, a gestalte, o psicodrama, a análise transacional, ou então uma formação em psicanálise ou em análise junguiana.

O psicanalista se formou em uma das instituições que oferecem cursos para quem já tem uma formação universitária (geralmente medicina, psicologia, filosofia, mas também algumas Instituições ampliam os cursos para formados de outras áreas, tais cursos variam de 3 a 5 anos de formação). A formação de um psicanalista sério inclui necessariamente sua análise pessoal (que durará vários anos), o preparo teórico sobre a teoria freudiana (Freud é o pai da psicanálise) e os sucessivos desenvolvimentos teóricos da psicanálise, bem como o acompanhamento de um supervisor na sua atuação clínica. A linha de atendimento deste profissional é diferente daquela dos psicólogos pois sua função não é orientar/aconselhar o paciente e sim ajudá-lo no seu processo de análise pessoal (autoconhecimento) que o leva a conhecer seu funcionamento psicológico, seu mundo interno (Inconsciente) e a forma como este se relaciona com o mundo externo e, desta forma, habilitá-lo a lidar com ele. Os psicanalistas podem atender de forma individual, casal, família ou até em grupo. Um processo analítico costuma ser mais ou menos demorado, conforme a disponibilidade de aprofundamento do paciente.

Leia mais ...

A Psicanálise Cura? Review ( English Version)

Publicado em Comentários sobre os livros publicados

Three in one

Review of Roberto Girola, A Psicanálise Cura? Uma introdução à Teoria Psicanalítica, Aparecida, Ideias e Letras, 2004, 189 pp

Readers who were children around 1960 may perhaps remember the slogan “Three in one”, which meant a big novelty during that time: the Neapolitan cream, strawberry and chocolate ice cream. Years later, in a humourous allusion to this same catchphrase, Marilena Chaui gave the title “Three in one” to a nice article on Voltaire’s Candide. (1)

These two memories came to my mind straightaway as I finished reading the book by Roberto Girola. Initially I had not realised that they were associations; rather, these thoughts seemed to be somewhat out of place, like those that burst into our mind at times, only to disappear as mysteriously as they emerged. But as these two memories persisted in my consciousness I ended up asking myself about the reason. And after some jumps, from “duck to ostrich”, the light appeared: --- it was a sort of elaboration in the form of a metaphor and metonymy brought together, giving an initial shape to the still fuzzy impression in me by what I had just finished reading.

Well, I thought, this is the thrust of the review I had promised to write for Percurso. In fact, Roberto Girola presents us not with one but with three books that are interlaced. The first one discusses the concept of cure in psychoanalysis; the second makes a careful analysis of diverse concepts that are central to the theory and the clinic; the third presents a perspective on the history of our discipline, moving along the red line that goes from Freud to Melanie Klein and from her to Winnicott and Bion, her two main disciples.

Here are the “three,” I thought. To continue the metaphor, the “one” --- that which provides unity to the work --- is the question of cure. That is because Girola never loses sight of his main objective, for which as much conceptual discussion as historical outline converge. And the set, as noted by Tales Ab’Saber in the preface he wrote to the book, constitutes a fine introduction to psychoanalysis, directed mainly to students of psychology who begin to study the subject, but also accessible to any reader who wishes to obtain a general idea about what Freud and his main successors did.

Girola begins by remembering that the desire to cure is present in the very core of the Freudian enterprise, as proved for example in Irma’s dream in Traumdeutung. In fact psychoanalysis begins like a medical treatment, with the view to eradicating the symptoms of the male and female patients who sought Dr. Freud in his consulting room: they also wished to be cured, thus laying the “desire for a cure” in both the poles (analyst and analysand) of the analysis. This origin as a branch of medicine would leave a mark on psychoanalysis, whose course, however, progressively distanced itself from this root to make itself an autonomous field of knowledge. So that today the need arises to take up the question: if psychoanalysis cures, what does it cure and how does it cure? (p. 18). It is to answer this question that our author directs his attention to concepts and to history.

It is necessary to make two complementary movements in order to define what psychoanalysis cures. The first one, comparative, will distinguish the psychoanalytic view of health (mental, in this case) from its counterparts in common sense and psychiatry. The second will demonstrate that in order to grasp what Freud designated as cure --- the aim of analytic treatment --- it is necessary to understand how the mind works and how it can be messed up, producing the disturbances known as neuroses, psychoses, perversions and psychosomatic illnesses. The next step, therefore, is to present the reader with an introduction to metapsychology and psychoanalytic psychopathology --- that is where the “second” of the three books comes in. This is done as much for Freud’s ideas as for those of the other three authors and is called for because what each one understands as cure will obviously depend on his view of the genesis, development and structure of the “psychic apparatus.” In other words, the therapeutic work will always be guided by a conception, explicit or implicit, about what is the mind and how it operates --- whether in a good or bad way---, a conception that determines the manner in which the analyst judges that it is possible to intervene in this functioning, con-forming therefore the interpretative mode and the general stance in relation to the clinic of each one of the major trends in psychoanalysis.      

This way we see the organization of a network of concepts that provide the foundation for each author’s practice--- the idea of pulsion in Freud, the idea of fundamental anxieties in Klein, the self in Winnicott etc. From each of these axles come, so to speak, derived elements, whose connection with the central trunk is evidenced by our author with exemplary clarity. When talking about Freud, for example, Girola directs us from the Trieb to the primary and secondary processes, the different architectures of the mind which we call topical, to the theme of repetition, and so forth. The same is valid for the study of Klein (the unconscious phantasy, the persecutory and depressive anxieties and the respective “positions”, the basic defence mechanisms), for the study of Winnicott (the self and the threats that surround  it, whether or not there is the environment’s facilitating role, the ideas of potential space and the transitional object) and for the brief but highly enlightening study of Bion (his worry about “emotional turbulence” to the concepts of contained-continent, his theory about thinking, his so original clinical method).

Even this rapid enumeration of the topics dealt with in the book suffices to provide an idea of its utility for those who are beginning in psychoanalysis, or even for anyone who wishes to make a quick revision of any point in the theory. To his credit, the author --- rare, it needs to be said --- knows where to stop when opening parallel paths: far from being obliged to go back all the way to Adam and Eve to locate the transference or the envy, he explains to us the notions we need in order to understand those others, and returns safely to the main theme. The reader is grateful, for few things bewilder more than the digressions without end that have their origin, be it in the lack of capacity to synthesize in the one who writes, be it (unfortunately) in the desire to impress readers with what can only be termed “ornamental erudition.”

Girola escapes from these obstacles, the Scylla and Charybdis of theoretical-historical writing in psychoanalysis, with elegance. His aim, stated clearly right in that page 18, is to “understand what psychoanalysis cures and how it cures.” For this, as stated earlier, he is led to compare the ideas on illness, health and cure derived from “common sense” and psychiatry to those that have a course in our field. Here the author’s classical education--- born and educated in Italy, with bachelor’s degrees in theology from Rome’s Lateran University and in philosophy from UNISAL --- brings to his mind very interesting links to certain elements that are imbedded in current ideas about sickness and health, which can be traced to the religious view of disease as a divine curse, and as moral disorder. (As I write this I note that my associations with Adam and Eve on the one hand, with the Strait of Messina (2) and with ice cream, peninsular invention that quickly gained the world in the 19th century, on the other, have nothing in them that is casual: they are links with what I have just said about the national and intellectual origins of Roberto Girola. That is the reason why I previously mentioned metonymy in the article).

These religious conceptions infiltrate, without our noticing them, the rationalist view of illness and health as exclusively bodily disturbances in Medicine, especially by the mediation of belief in miracles --- today no longer those of Lourdes or Fátima, but the belief in the possibility of removing cito, tuto et jucunde mental suffering by means of anti-depressives, anxyolytics et cetera. It is the path of the diverse DSMs and laboratory propaganda, which use relevant scientific facts ---such as the discovery of neurotransmitters, or the probable location in certain brain areas of the physical base of certain psychic disturbances --- to draw ideological conclusions that encourage the contemporary illusion to the highest degree: that the subject is no longer the originating focus of his acts, and therefore responsible for them, but in essence the consumer of what is presented to him by the industry. The lesser the questions, the better it is! Consume and enjoy; so appears to be the impoverished contemporary version of the categorical imperative.

Another important aspect of this small big book is the relation of continuity that it establishes between Freud and his successors. While he explains clearly where their differences lie, Girola firmly grips the diverse threads that unite the theories he presents to us --- of affiliation, it is quite clear, but also of dialogue. That is because if it is necessary that these theories do not coincide completely with each other in order to constitute trends in the psychoanalytic field, they need to have something in common with one another in order to form trends in the psychoanalytic field, and different from the “non-psychoanalytic.” And, as we progress in reading, we understand what these common factors consist of: the notions of the dynamic unconscious and the need to erect defences against impulses and anxieties --- which places the idea of an inescapable psychic conflict in their cores ---; a shared vision, in essentials, of what is the human mind and how it works; an ethical stance resting on the neutrality and the rejection of the pretence of being, as Freud says at the end of The Ego and the Id, the patient’s guru; the attention paid to the modalities of the transference and the characteristic use of interpretation that follow. The brief study of notion of the self in Jung (p. 131 and following pages), by contrast, shows us how the landscape changes when we cross the bridge and depart from psychoanalysis.

To conclude, a mention of the bibliography Girola makes use of.  He agilely goes from the classics to the present, from Susan Isaacs to Laplanche and Pontalis, from Kohut to Nicole Zaltzman, from Saint Theresa of Lisieux to an article from Veja magazine. The reader is thus introduced to some main psychoanalytic commentators, learning with them to read the fundamental writings and to discern all their richness. That is no small thing, in these days of wide ignorance in which the task of understanding is considered to be useless and tiring, because its pace is not that of a television clip but the patient journey through arguments that are sometimes complex.

“Three in one”: the children’s song Little Theresa of Jesus comes to my mind (ah, I think, Theology, Saint Theresa, Lateran University… how the primary process interferes with the “secondarized” activity of writing a review!). Little Theresa fell down on the ground; three gentlemen came to her rescue, and the third “was the one whom she gave her hand.” We, readers, are a Theresa, and Girola gives us a hand --- the hand of friendship, which leads us with kindness in this walk through the always interesting land of psychoanalysis.

 

NOTES

1.     M. Chaui, Três em uma: as viagens de Cândido, in Do mundo sem mistérios ao mistério do mundo, Sâo Paulo, Brasiliense, 1981.

2.     Scylla and Charybdis are obstacles that navigate between the tip of the Italian boot and Sicily. A Greek legend used to say that they were two monsters; Scylla, the female monster, was turned to stone, and Charybdis, the male monster, into a whirlwind. In Poetic Art Horace employs their names to designate the opposing risks to which an author subjects himself, as for example the excess or lack of something in his work; “avoid Scylla to fall into Charybdis” came to signify escaping here to stumble there. As for the one who “navigates between Scylla and Charybdis” he obtains success in overcoming the risks of the enterprise he undertook.

3.     “Quick, complete, with happiness” was the motto of the good doctor, the order to cure as quickly and radically as possible, with the minimum of discomfort for the patient.

 

The review was published in Percurso magazine, year XVII, No. 33, 2004

Renato Mezan is a psychoanalyst, member of the Department of Psychoanalysis, Sedes Sapientiae, professor titular at PUC/SP and the author of several books, among them Freud, Pensador da Cultura (new edition of 2004, by Companhia das Letras) and A Sombra de Don Juan e Outros Ensaios (new edition by Casa do Psicólogo, 2004)      

Leia mais ...

The first lesson in psychoanalysis

Publicado em Comentários sobre os livros publicados

Sunday News (January 15, 2005)

The first lesson in psychoanalysis

 

 By Louis C. de Figueiredo

 

 Some years ago Time magazine carríed a cover story entitled "Is Freud Dead?". It was a rhetorical question, to which ali sorts of reactions could be expected. One anti-Freud author went só far as to state that "the death of psychoanalysis is itself the only cathartic event psychoanalysis was ever designed to deliver." Were he alive Freud would scarcely have been disturbed by such a rash statement. On the contrary, it would have more likely left him delighted. The reaction against psychoanalysis could only confirm one of his observations. He would therefore dismiss it as resistance.

It carne from a country that he and CG. Jung had guessed would be hostile to what Freud had to say. Not that Jung agreed with everything his 'father'said, the break taking place as a result of what was judged to be Freud's one-sidedness, a point that was once again raised more recently by the Palestinian intellectual Edward Said, although for political reasons. But to stick to the point, even Jung, who eventually became Freud's bitter enemy, would, as late as 1959, acknowledge that the father of psychoanalysis, "like an Old Testament prophet ...undertook to overthrow false gods, to rip the veils away from a mass of dishonesties and hypocrisies, mercilessly exposing the rottenness of the contemporary psyche."

Today, whatever the debates raging between Richard Webster and Frederick Crews will lead to, no one questions the fact :hat it was Freud who discovered the road to the unconscious, which had existed only as a philosophical postulate, particularly in the work of Eduard von Hartmann, called the philosopher of the unconscious.

Freud had the right ingredients to enable him to do what he did. As his English translator James Strachey put it, "his power of observation had to be seen to be believed."

Só if Freud is not really dead, to what use can psychoanalysis be put by the average layperson in the search for meaningful experiences— not esoteric rubbish — to explain the disruptions in his condition humaine in today's highly complex post-modern society? That is something that becomes as clear as crystal in A Psicanálise Cura? Uma introdução a Teoria Psicanalíticà written by Roberto Girola and published by Idéias & Letras. Intended for the educated general reader and presented in an easily readable format, the book is a step-by-step explanation of the workings of that steam engine called the human mind, from the psychoanalytic point of view, where terms such as Unconscious, Complex, Repression, Transference and Resistance — evident in everyday life — become easily understandable. The result is a considerable gain in insight, meaning that it is clearly demonstrated how the cure is obtained by bringing to consciouness what had been unconscious, and the way in which the ego can replace the id in some instances, as Freud claimed.

Of course, one of the main objections to psychoanalysis is that medications can relieve symptoms. Even as well-known a psychoanalyst as Elizabeth Roudinesco did not hesitate to admit that people prefer to take drugs rather than express intimate feelings. But then it is equally true that drugs do not heal emotions, nor do they comfort the soul. While that does not convert psychoanalysis into "soul talk", it is nonetheless clear that its approach is humane, as Freud's colleague Sandor Ferenczi would have it. For the simple reason that it is much more human to thrash things out openly, with the intention of seeking a solution, and thus "comfort the soul", than to sweep them under the rug by pretending nothing is wrong. If sweeping things under the rug is possible at ali, a psychoanalyst would say.

The author, a psychoanalyst who hás a background in philosophy and theology as well, keeps ari open mind on these and other questions, which is also what leads him to dwell on a bit of the history of the development of psychoanalysis and the important contributions of Winnicott and Bion, making his work also useful to psychoanalysts. Above ali, it is the honesty that stands out in the book, added to the praise it hás won from Brazilian heavyweights in the field like Renato Mezan and Tales A.M. Ab' Saber, that makes it a superb introduction for anyone seeking a better understanding of psychoanalysis.

Leia mais ...

A Psicanálise cura? Apresentação

Publicado em Comentários sobre os livros publicados

Apresentação

Por Talles A.M. Ab´Sáber

Nos últimos 20 anos o campo psicanalítico brasileiro passou por uma grande modificação, tanto em sua dinâmica teórica interna, quanto em sua posição e presença em relação ao todo da vida cultural local. Podemos dizer que se completou o projeto de uma geração de analistas de renovação e vitalização da linguagem e dos parâmetros teóricos interiores à disciplina, que levou a uma precisa e rigorosa avaliação do legado freudiano, bem como, no mesmo movimento, se ganhou uma mais aberta e livre percepção da grandeza do movimento histórico da disciplina através de seu primeiro século de vida, e, como grande ganho adicional, ainda foram reposicionadas as grandes questões epistemológicas que, vistas do presente, podem ser feitas à psicanálise.

Analistas como Renato Mezan, Jurandir Freire Costa, Fábio Herrmann, Maria Rita Kehl, Joel Birman, Chaim Samuel Katz, Miriam Chnaiderman entre muitos outros, tiveram sua contribuição rigorosa e ampla de reposicionamento e recuperação do valor do legado freudiano, que através deles passou a ter um impacto qualificado na esfera pública, articulada, no movimento geral da disciplina, à  emergência significativa de um pensamento verdadeiramente original de psicanálise feito entre nós, seja de caráter epistemológico clínico, como é o caso do mestre Isaias Melsohn, ou de Gilberto Safra, seja no questionamento histórico das modalidades de subjetivação, no trabalho de Luiz Cláudio Figueiredo ou Suely Rolnik, seja o lançamento de uma mais intensa e rigorosa discussão epistemológica do lugar da psicanálise e sua história na história do pensamento ocidental, levada a cabo por filósofos como Bento Prado Jr., Luiz Roberto Monzani, Osmyr Faria Gabbi Jr. ou Zeljko Loparic.

A este grupo de intensa produção e de grande rigor, responsável pela modificação histórica do mapa da psicanálise por estas paragens, soma-se no presente uma nova geração de analistas, da qual eu mesmo faço parte, que não parece disposta a recuar das possibilidades históricas e conceituais abertas por esta grande pesquisa anterior, e que começa a dar seus primeiros frutos teóricos mantendo o grau atingido por seus formadores, e que também parece colocar, ao seu modo,  parâmetros para um novo enquadramento da disciplina. Deste novo grupo, que em nada está em ruptura com seus mestres que chegaram primeiro, eu poderia nomear aqui, para motivo de consulta de algum leitor interessado, alguns pesquisadores de resultados significativos, do meu ponto de vista bastante paulistano, como Mario Eduardo Costa Pereira, Noemi Moritz Kon, Myriam Uchitel, Flávio Carvalho Ferraz, Decio Gurfinkel, Eliana Borges Pereira Leite, Mara Selaibe, Mara Caffé, Luis Hanns, Nayra Cesaro Penha Ganhito e Daniel Delouya. Temos também o importante trabalho de formação em articulação mais ampla da psicanálise com outros campos da cultura, proposto por David Calderoni, ou ainda a pesquisa muito forte dos filósofos mais jovens, como o radical trabalho entre a psicanálise a literatura e a filosofia de Juliano Pessanha, ou a leitura precisa do legado de Lacan de Wladimir Safatle. Evidentemente tal lista é marcada por um ponto de vista limitado, que é o meu, e certamente ela é injusta com pesquisadores que merecem nossa atenção e que não aparecem por aqui, devido à minha própria ignorância.     

De todo modo, como podemos ver o panorama atual, e local, é amplo, articulado fortemente à vida universitária - o que faz uma distinção particular da vida do movimento psicanalítico brasileiro em relação a outros países - e faz com que, quem tente dar um balanço na vida da psicanálise brasileira atual, seus resultados e seu grau de consciência teórica e clínica, tenha pela frente uma excitante e já relativamente grande tarefa.

Sendo assim, é curioso que ao longo deste forte movimento da psicanálise contemporânea entre nós tenham sido produzidos poucos trabalhos de caráter de transmissão didática, em um nível superior de acepção do termo. Creio que, com a exceção do pequeno e excepcional livro sobre Freud de Renato Mezan, Freud, A Conquista do Proibido, felizmente ainda presente entre nós, e dos pequenos volumes sobre O que é a Psicanálise?, de Renato Mezan e Fábio Herrmann, realizados no âmbito do projeto didático da Editora Brasiliense ainda nos anos 80, mais nada foi produzido para a transmissão mais ampla da vida da psicanálise contemporânea em um registro didático superior. Alunos de psicologia, de filosofia, de ciências sociais ou literatura, ou mesmo do colégio, não podem contar assim com alguma espécie de abrégé da psicanálise contemporânea desenvolvida entre nós, com algum manual introdutório que, mantendo o rigor e a complexidade do campo hoje, possa servir de porta de entrada e primeiro elaborador, da forma mais completa possível, das conquistas atuais da disciplina psicanalítica. A recente, e excelente, coleção dirigida por Flávio Carvalho Ferraz, Clínica Psicanalítica, certamente responde a este objetivo, com suas amplas monografias tópicas sobre a vida psicopatológica contemporânea e seus autores especialistas, servindo tanto a analistas experimentados quanto a estudantes de nível superior, mas ainda não temos nenhum livro de referência universitária para um princípio de estudo geral e início de formação na longa e complexa trilha da psicanálise.

Não é impossível que A Psicanálise Cura? de Roberto Girola venha a ocupar este lugar. Seu desejo de circulação ampla e didática não o impediu de estar em contato com a massa viva da produção psicanalítica contemporânea, que tenta ser expressa sem perdas significativas neste livro. Grande parte do campo metapsicológico freudiano é repassado aqui com precisão, servindo à atualização das consciências universitárias de forma muito útil, bem como o interessante problema da cura psicanalítica é estudado em profundidade, para quem dele queira aproximar-se com espírito isento. O caráter abertamente didático do livro se justifica deste modo como o preenchimento de uma lacuna que o campo rico a que me referi pode superar.

Deste modo, o livro parece ser mesmo um dos gestos necessários deste amplo movimento, de posicionamento da matéria trabalhada pelos pesquisadores no registro teórico mais originário da ciência de modo que ela possa começar a alcançar um público mais amplo, solidificando, gradualmente, uma consciência pública mais verdadeira das coisas. Temos entre nós, excelentes livros desta mesma natureza dedicados a outros campos, como a filosofia a economia ou a sociologia, mas a psicanálise, por um motivo ideológico ou teórico que deve ser identificado e avaliado na sua validade e produtividade, em geral tem se recusado a produzir-se sobre esta forma.

Se é verdade que o estrangeirismo humano do inconsciente, e eficácia mesma da vida da transferência, baseada em intimidade e diferença, implicam em um certo afastamento da disciplina do andamento mais evidente da ordem ideológica da própria consciência do mundo, a psicanálise também não deve se furtar ao oferecimento de si mesma a quem dela queira se aproximar e quem venha desejar conhecer a própria radicalidade da vida inconsciente. A transmissão didática assim tem função ética significativa no posicionamento da disciplina no mundo, o que, analistas de enorme importância e contribuição verdadeira para a disciplina, a começar pelo próprio Freud, ou ainda, podemos lembrar, Winnicott ou Dolto, não se recusaram a realizar, em seus próprios tempos e suas próprias culturas.

Desta forma o trabalho rigoroso e extenso de Roberto Girola, neste registro da transmissão, é muito bem vindo. Nele estudantes e pessoas interessadas, não profissionais em geral, poderão encontrar, com objetividade, poder de síntese e amplas referências, a ordem de consciência interna, principalmente em relação à obra freudiana, da psicanálise atual. E analistas e pesquisadores já formados poderão reconhecer uma salutar visão ampliada da história do pensamento psicanalítico - incluindo a presença de autores fundamentais para a vida atual da disciplina, como Winnicott e Bion - organizada ao redor da questão paradoxal da cura em psicanálise, visão histórica livre que, por vezes, costuma faltar às facções do movimento psicanalítico organizadas politicamente ao redor de um único objeto teórico de referência - seja ele Freud, Melanie Klein, Lacan, Winnicott ou qualquer outro criador de psicanálise de interesse -.

Fica aqui o convite à leitura deste livro útil e bem vindo.

 

Tales A.M. Ab´Sáber

Janeiro de 2004

Leia mais ...

A psicanálise cura? (Contracapa e orelha)

Publicado em Comentários sobre os livros publicados

Contracapa Livro A Psicanálise Cura?

Neste livro “estudantes e pessoas interessadas, não profissionais em geral, poderão encontrar, com objetividade, poder de síntese e referências amplas, a ordem de consciência interna, principalmente em relação à obra freudiana, da psicanálise atual. E analistas e pesquisadores já formados poderão reconhecer uma salutar visão ampla da história do pensamento psicanalítico - incluindo a presença de autores fundamentais para a vida atual da disciplina, como Winnicott e Bion - organizada ao redor da questão paradoxal da cura em psicanálise, visão histórica livre que, por vezes, costuma faltar às facções do movimento psicanalítico organizadas politicamente ao redor de um único objeto teórico de referência, seja ele Freud, Melanie Klein, Lacan, Winnicott ou qualquer outro criador de psicanálise de interesse.

 Tálles A.M. Ab´Sáber

Orelha

(Click here to see the English Version)

A partir do conceito de cura, o livro introduz o leitor nos principais conceitos da psicanálise atual. Inicialmente ´ é feito um mapeamento da complexidade das fantasias vinculadas aos termos cura, saúde, doença e normalidade. O objetivo é buscar o que a psicanálise pretende curar e em que sentido podemos falar de cura em termos psicanalíticos. Para responder à primeira pergunta, são retomados os conceitos mais importantes da teoria psicanalítica, em busca dos componentes que caracterizam o conflito psíquico.  A segunda pergunta é abordada através de um levantamento de alguns textos que permitem acompanhar, no evoluir do pensamento freudiano, o sentido, os âmbitos e as limitações que Freud atribui à função terapêutica da Psicanálise.  Para acompanhar a evolução do conceito de cura no pensamento psicanalítico mais recente, é estudada a contribuição de Klein e sua repercussão na clínica psicanalítica. Os principais aspectos da clínica winnicottiana são abordados a partir do conceito de Self e das perspectivas que ele levanta em termos clínicos. Uma breve referência a alguns conceitos básicos de Bion, permitirá entender com maior profundidade a importância deste autor para a clínica contemporânea, cuja complexidade é esboçada analisando as contribuições recentes de alguns autores. 

 Flap

The book introduces the reader to the main concepts of current trends in psychoanalysis with the concept of cure as the starting point. Initially a mapping is made of the complexity involved in the phantasies linked to the terms cure, health, illness and normality. The aim is to search for what psychoanalysis wants to cure and in which sense we can talk about cure in psychoanalytic terms. The most important concepts in psychoanalysis are rediscussed to answer the first question, in search of components that characterise psychic conflict. The second question is approached by means of a survey of some texts that enable one to follow, in the development of Freudian thought, the sense, the scopes and the limitations that Freud attributed to the therapeutic function in psychoanalysis. The contribution of Klein and the repercussion in the psychoanalytic clinic is studied in order to follow the development of the concept of cure in more recent psychoanalytic thought. The main of aspects of Winnicottian clinical practice are approached beginning from the concept of Self and the perspectives that are raised in clinical terms. A brief reference to some of Bion’s basic concepts allows one to understand with greater depth the importance of this author for the contemporary clinic, whose complexity is outlined analysing the recent contributions of some authors.   

 

 

 

Leia mais ...

A psicanálise cura?: Release Revista Percurso

Publicado em Comentários sobre os livros publicados

Três em um

 Resenha do Psicanalista Renato Mezan, sobre o livro de Roberto Girola, A Psicanálise Cura? Uma Introdução à Teoria Psicanalítica, Aparecida, Idéias e Letras, 2004, 189 p., publicada na revista Percurso, ano XVII, no 33, 2004   

 

            Os leitores que eram crianças aí por volta de 1960 talvez se recordem do slogan “Três em Um”, que designava uma grande novidade da época: o sorvete napolitano de creme, morango e chocolate. Anos mais tarde, numa bem-humorada alusão a este mesmo bordão, Marilena Chauí intitulou “Três em Uma” um belo artigo a respeito do Candide de Voltaire[1].

            Ao terminar a leitura do livro de Roberto Girola, estas duas lembranças se me impuseram de imediato. No início, não me dei conta de que eram associações; pareciam antes esses pensamentos um tanto fora de lugar que às vezes irrompem em nossa mente, para em seguida desaparecer tão misteriosamente quanto surgiram. Mas como as duas lembranças persistiam em se manter piscando na minha consciência, acabei por me perguntar pelo motivo; e, após alguns saltos “de pato para ganso”, a luz se fez – era um princípio de elaboração, sob a forma conjunta de uma metáfora e de uma metonímia, dando uma primeira forma à impressão ainda difusa produzida em mim pelo que acabara de ler.

            Pronto, pensei: eis aí o fio condutor da resenha que tinha me comprometido a fazer para a Percurso. De fato, Roberto Girola nos brinda não com um, mas com três livros entrelaçados. O primeiro discute o conceito de cura em Psicanálise; o segundo realiza uma cuidadosa análise de diversos conceitos centrais para a teoria e para a clínica; o terceiro apresenta uma perspectiva sobre a história da nossa disciplina, percorrendo a linha vermelha que vai de Freud a Melanie Klein e desta aos seus dois principais discípulos, Winnicott e Bion.

            Eis aqui os “três”, pensei. Continuando a metáfora, o “um” - aquilo que confere unidade à obra - é a questão da cura, pois Girola jamais perde de vista o seu objetivo principal, para o qual convergem tanto a discussão conceitual quanto o esboço histórico. E o conjunto, como nota com razão Tales Ab’Saber no prefácio que escreveu para o livro, constitui uma ótima introdução à Psicanálise, dirigida em especial a estudantes de Psicologia que se iniciam na matéria, mas também acessível a qualquer leitor que deseje obter um panorama geral do que fizeram Freud e alguns dos seus principais sucessores.

            Girola começa lembrando que o desejo de curar está presente no âmago mesmo da empresa freudiana, como comprova por exemplo o sonho de Irma na Traumdeutung. De fato, a Psicanálise começa como um tratamento médico, visando a erradicar os sintomas dos e das pacientes que procuravam o Dr. Freud em seu consultório: eles também desejavam se curar, colocando-se assim o “desejo de cura” nos dois pólos da dupla analítica. Esta origem como ramo da Medicina irá marcar a Psicanálise, cujo trajeto, porém, se afastou progressivamente desta raiz para constituir-se como campo autônomo de conhecimento. De modo que cabe, hoje, retomar a questão: se a Psicanálise cura, o que ela cura, e como cura? (p. 18). É para responder a esta pergunta que nosso autor se dirige aos conceitos e  à história.

            Para definir o que a Psicanálise cura, é necessário realizar dois movimentos complementares. O primeiro, comparativo, irá distinguir a noção psicanalítica de saúde (mental, no caso) das suas congêneres no senso comum e na Psiquiatria. O segundo mostrará que, para compreender o que Freud designa como cura – o objetivo do tratamento analítico – é necessário entender como funciona a mente e como ela pode se desarranjar, produzindo os transtornos chamados neuroses, psicoses, perversões e doenças psicossomáticas. O passo seguinte é, portanto, apresentar ao leitor uma introdução à metapsicologia  e à psicopatologia psicanalítica – de onde o “segundo” dos três livros. Isto é feito tanto para as idéias de Freud quanto para as dos outros três autores, pois o que cada um entende por cura irá obviamente depender de sua visão da gênese, do desenvolvimento e da estrutura do “aparelho psíquico”. Em outras palavras, o trabalho terapêutico será sempre guiado por uma concepção, explícita ou implícita, do que é a mente e de como ela opera – bem ou mal – concepção que determina o modo pelo qual o analista julga possível intervir neste funcionamento, con-formando portanto o estilo interpretativo e a postura geral em relação à clínica de cada uma dessas grandes tendências da Psicanálise.

            Assim, vemos se organizar a rede de conceitos que serve de fundamento à prática de cada autor – a idéia de pulsão em Freud, a idéia das ansiedades fundamentais em Klein, o self em Winnicott, etc. De cada um destes eixos, partem por assim dizer elementos derivados, cuja conexão com o tronco central é evidenciada por nosso autor com clareza exemplar. Ao falar de Freud, por exemplo, Girola nos conduz do Trieb aos processos primário e secundário, às diferentes arquiteturas da mente a que chamamos tópicas, ao tema da repetição, e assim por diante. O mesmo vale para o estudo de Klein (a fantasia inconsciente, as angústias persecutória e depressiva e as respectivas “posições”, os mecanismos básicos de defesa), para o estudo de Winnicott (o self e as ameaças que o circundam, o papel facilitador ou não do ambiente, as idéias de espaço potencial e de objeto transicional) e para o breve porém muito esclarecedor estudo de Bion (da sua preocupação com a “turbulência emocional” aos conceitos de continente/contido, sua teoria sobre o pensar, seu método clínico tão original).

            Mesmo esta rápida enumeração dos tópicos abordados no livro basta para dar uma idéia da sua utilidade para aqueles que se iniciam na Psicanálise, ou mesmo para quem que deseja fazer uma rápida revisão de algum ponto da teoria. O autor tem o mérito – raro, é bom que se diga – de saber onde parar na abertura das trilhas paralelas: longe de se sentir obrigado a voltar até Adão e Eva para situar a transferência ou a inveja, ele nos explica as noções de que precisamos para compreender aquelas outras, e retorna com segurança ao tema principal. O leitor agradece, pois poucas coisas o desnorteiam mais do que as digressões sem fim nascidas quer da incapacidade de síntese de quem escreve, quer (infelizmente) da vontade de impressionar a galeria com o que só se pode chamar de “erudição ornamental”.

            Girola escapa com elegância destes obstáculos, o Cila e o Caribdes da escrita teórico-histórica em Psicanálise. Seu objetivo, enunciado com firmeza já àquela página 18, é “compreender o que a Psicanálise cura, e como cura”. Para isso, como disse, é levado a comparar as idéias de doença, saúde e cura provenientes do “senso comum” e da Psiquiatria às que têm curso em nosso campo. Aqui, a formação clássica deste autor – nascido e educado na Itália, bacharelado em Teologia pela Pontifícia Universidade Laterana de Roma e em Filosofia pela UNISAL – lhe sugere referências muito interessantes a certos elementos entranhados nas idéias correntes sobre doença e saúde, que têm sua origem na visão religiosa da moléstia como maldição divina, e como desordem moral. (Ao escrever isso, noto que minhas associações com Adão e Eva por um lado, com o estreito de Messina[2] e com o sorvete, invenção peninsular que ganhou rapidamente o mundo no século XIX, nada têm de casuais: são elos com o que acabo de dizer sobre as origens nacionais e intelectuais de Roberto Girola. Por isso falei, atrás, em metonímia).

Estas concepções religiosas infiltram, sem que percebamos, a visão racionalista da doença e da saúde como transtornos exclusivamente corporais veiculada pela Medicina, especialmente pela mediação da crença em milagres – hoje não mais os de Lourdes ou Fátima, mas a crença na possibilidade de remover cito, tuto et jucunde[3] o sofrimento mental pela via dos anti-depressivos, ansiolíticos et caterva. É o caminho dos diversos DSM e da propaganda dos laboratórios, que se serve de fatos científicos relevantes - como a descoberta dos neurotransmissores, ou a provável localização em certas áreas cerebrais da base física para determinados transtornos psíquicos - para extrair conclusões ideológicas que alimentam a ilusão contemporânea por excelência: a de que o sujeito não é mais agente e foco originador dos seus atos, portanto responsável por eles, mas na essência consumidor do que a indústria lhe apresenta. E quanto menos perguntas, melhor! Consome e goza, tal parece ser a paupérrima versão contemporânea do imperativo categórico.

            Um outro aspecto importante deste pequeno grande livro é a relação de continuidade que estabelece entre Freud e seus sucessores. Ao mesmo tempo em que explica claramente no que são diferentes, Girola mantém firmemente em mãos os diversos fios que unem entre si as teorias que nos apresenta –  de filiação, é claro, mas também de diálogo. Pois, se é necessário que para se constituírem em tendências no campo psicanalítico essas teorias sejam não coincidam completamente umas com as outras, para que constituam tendências no campo psicanalítico elas precisam ter algo em comum entre si, e diferente do “não-psicanalítico”. E, avançando na leitura, compreendemos no que consistem estes fatores comuns: as noções de inconsciente dinâmico e da necessidade de erigir defesas contra impulsos e angústias – o que situa no âmago de todas elas a idéia de um conflito psíquico inescapável -; uma visão no essencial compartilhada sobre o que é e como trabalha a mente humana; uma postura ética assentada sobre a neutralidade e a renúncia à pretensão de ser, como diz Freud no final do O Ego e o Id, o guru do paciente; a atenção às modalidades da transferência e o uso característico da interpretação que daí decorre. O breve estudo da noção de self em Jung (p. 131 ss), por contraste, nos mostra como fica diferente a paisagem quando atravessamos a ponte e saímos da Psicanálise.

            Para concluir, uma menção à bibliografia de que se serve Girola. Ela vai agilmente dos clássicos ao atual, de Susan Isaacs a Laplanche e Pontalis, de Kohut a Nicole Zaltzman, de Santa Teresa de Lisieux a um artigo da revista Veja. O leitor é assim apresentado a alguns dos principais comentadores psicanalíticos, aprendendo com eles a ler os escritos fundamentais e a discernir toda a sua riqueza. Não é pouco, nestes dias de espessa ignorância em que o trabalho de entender é considerado inútil ou cansativo, porque seu ritmo não é do clipe de televisão, e sim o da paciente travessia de argumentos por vezes complexos.

            “Três em um”: vem-me à mente a canção infantil Teresinha de Jesus (ah, penso, Teologia, Santa Teresa, Universidade Laterana... como o processo primário interfere na atividade “secundarizada” de escrever uma resenha!). Teresinha foi ao chão; acudiram três cavaleiros, e o terceiro “foi aquele a quem ela deu a mão”. Nós, leitores, somos como Teresinha, e Girola nos oferece a mão – uma mão amiga, que nos conduz com amabilidade neste passeio ao território sempre interessante da Psicanálise.

Decididamente, três em um!

 

 

 

 

NOTAS



[1] M. Chauí, Três em uma: as viagens de Cândido, in Do mundo sem mistérios ao mistério do mundo, São Paulo, Brasiliense, 1981.

[2] Cila e Caribdes são dois obstáculos  que tornam perigosa a navegação entre a ponta da bota italiana e a Sicília. Uma lenda grega dizia tratarem-se de dois monstros; Cila, o monstro feminino, foi transformada em pedra, e Caribdes, o masculino, num redemoinho. Na Arte Poética, Horácio emprega seus nomes para designar os riscos opostos a que se sujeita um autor, por exemplo o excesso ou a carência de alguma coisa em sua obra; “evitar  Cila para cair em Caribdes” veio a significar assim safar-se aqui para tropeçar acolá. Já quem “navega entre Cila e Caribdes” tem sucesso em vencer os riscos da empresa a que se propôs. 

[3] “Rápido, completo, com alegria” – era o lema do bom médico, uma injunção a curar o quanto antes e o mais radicalmente possível, com o mínimo de incômodo para o paciente.

 

 

A resenha foi publicada na revista Percurso, ano XVII, no 33, 2004

 

Renato Mezan é psicanalista, membro do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae,  professor titular da PUC/SP e autor de diversos livros, entre os quais Freud, Pensador da Cultura (nova edição de 2004, pela Companhia das Letras) e A Sombra de Don Juan e Outros Ensaios (nova edição pela Casa do Psicólogo, 2004).

Leia mais ...

A psicanálise cura? (Release)

Publicado em Comentários sobre os livros publicados

 O conceito de cura em psicanálise

 

Resenha do livro de de Roberto Girola, A Psicanálise Cura? Uma Introdução à Teoria Psicanalítica, Aparecida, Idéias e Letras, 2004, 189 p.

 

A Piscanálise cura? é uma obra peculiar, pois ela nos brinda três livros entrelaçados. O primeiro discute o conceito de cura em Psicanálise; o segundo realiza uma cuidadosa análise de diversos conceitos centrais para a teoria e para a clínica; o terceiro apresenta uma perspectiva sobre a história da disciplina, percorrendo a linha vermelha que vai de Freud a Melanie Klein e desta aos seus dois principais discípulos, Winnicott e Bion.

A questão da cura é a que confere unidade à obra. O autor jamais perde de vista o seu objetivo principal, para o qual convergem tanto a discussão conceitual quanto o esboço histórico. E o conjunto, como nota com razão Tales Ab’Saber no prefácio que escreveu para o livro, constitui uma ótima introdução à Psicanálise, dirigida em especial a estudantes de Psicologia que se iniciam na matéria, mas também acessível a qualquer leitor que deseje obter um panorama geral do que fizeram Freud e alguns dos seus principais suces

O autor começa lembrando que o desejo de curar está presente no âmago da obra de Freud. De fato, a Psicanálise começa como um tratamento médico, visando a erradicar os sintomas dos e das pacientes que procuravam o Dr. Freud em seu consultório: eles também desejavam se curar, colocando-se assim o “desejo de cura” nos dois pólos da dupla analítica. Esta origem como ramo da Medicina irá marcar a Psicanálise, cujo trajeto, porém, se afastou progressivamente desta raiz para constituir-se como campo autônomo de conhecimento. De modo que cabe, hoje, retomar a questão: se a Psicanálise cura, o que ela cura, e como cura? Para responder a estas perguntas, o autor se dirige aos conceitos e  à história.

Para definir o que a Psicanálise cura são necessários dois movimentos complementares. O primeiro, comparativo, irá distinguir a noção psicanalítica de saúde (mental, no caso) das suas congêneres no senso comum e na Psiquiatria. O segundo mostrará que, para compreender o que Freud designa como cura – o objetivo do tratamento analítico – é necessário entender como funciona a mente e como ela pode se desarranjar, produzindo os transtornos chamados neuroses, psicoses, perversões e doenças psicossomáticas. O passo seguinte é, portanto, apresentar ao leitor uma introdução à metapsicologia  e à psicopatologia psicanalítica – de onde o “segundo” dos três livros. Isto é feito tanto para as idéias de Freud quanto para as dos outros três autores, pois o que cada um entende por cura irá obviamente depender de sua visão da gênese, do desenvolvimento e da estrutura do “aparelho psíquico”. Em outras palavras, o trabalho terapêutico será sempre guiado por uma concepção, explícita ou implícita, do que é a mente e de como ela opera, concepção que determina o modo pelo qual o analista julga possível intervir neste funcionamento, con-formando portanto o estilo interpretativo e a postura geral em relação à clínica de cada uma dessas grandes tendências da Psicanálise.

Assim, o leitor pode acompanhar a rede de conceitos que serve de fundamento à prática de cada autor – a idéia de pulsão em Freud, a idéia das ansiedades fundamentais em Klein, o self em Winnicott, etc. De cada um desses eixos, partem por assim dizer elementos derivados, cuja conexão com o tronco central é evidenciada por nosso autor com clareza exemplar. Ao falar de Freud, por exemplo, Girola nos conduz da teoria sobre os instintos aos processos primário e secundário, às diferentes arquiteturas da mente a que chamamos tópicas, ao tema da repetição, e assim por diante. O mesmo vale para o estudo de Klein (a fantasia inconsciente, as angústias persecutória e depressiva e as respectivas “posições”, os mecanismos básicos de defesa), para o estudo de Winnicott (o self e as ameaças que o circundam, o papel facilitador ou não do ambiente, as idéias de espaço potencial e de objeto transicional) e para o breve porém muito esclarecedor estudo de Bion (da sua preocupação com a “turbulência emocional” aos conceitos de continente/contido, sua teoria sobre o pensar, seu método clínico tão original).

Mesmo esta rápida enumeração dos tópicos abordados no livro basta para dar uma idéia da sua utilidade para aqueles que se iniciam na Psicanálise, ou mesmo para quem deseja fazer uma rápida revisão de algum ponto da teoria. O autor tem o mérito de saber onde parar na abertura das trilhas paralelas. Ele nos explica as noções de que precisamos para compreender aquelas outras, e retorna com segurança ao tema principal, evitando digressões sem fim nascidas quer da incapacidade de síntese de quem escreve, quer da vontade de impressionaria com o que só se pode chamar de “erudição ornamental”. Seu objetivo é “compreender o que a Psicanálise cura, e como cura”. Para isso é levado a comparar as idéias de doença, saúde e cura provenientes do “senso comum” e da Psiquiatria com aquelas da Psicanálise. Aqui, a formação clássica do autor – nascido e educado na Itália, bacharelado em Teologia pela Pontifícia Universidade Laterana de Roma e em Filosofia pela UNISAL – lhe sugere referências muito interessantes a certos elementos entranhados nas idéias correntes sobre doença e saúde, que têm sua origem na visão religiosa da moléstia como maldição divina, e como desordem moral.

Estas concepções religiosas infiltram, sem que percebamos, a visão racionalista, veiculada pela Medicina,  da doença e da saúde como fenômenos exclusivamente corporais, e remetem a um novo tipo de milagre: a possibilidade de “remover” o sofrimento mental pela via dos anti-depressivos, ansiolíticos e similares. Por trás de fatos científicos relevantes - como a descoberta dos neurotransmissores, ou a provável localização em certas áreas cerebrais da base física para determinados transtornos psíquicos – se insinuam conclusões ideológicas que alimentam a ilusão contemporânea por excelência: a de que o sujeito não é mais agente e foco originador dos seus atos, portanto responsável por eles, mas na essência m organismo bio-químico destinado a consumir o que a indústria lhe apresenta.

Um outro aspecto importante desse pequeno grande livro é a relação de continuidade que estabelece entre Freud e seus sucessores. Ao mesmo tempo em que explica claramente no que são diferentes, Girola mantém firmemente em mãos os diversos fios que unem entre si as teorias que nos apresenta –  de filiação, é claro, mas também de diálogo. Avançando na leitura, compreendemos no que consistem os fatores comuns das diferentes correntes: as noções de inconsciente dinâmico e da necessidade de erigir defesas contra impulsos e angústias – o que situa no âmago de todas elas a idéia de um conflito psíquico inescapável -; a visão, no essencial compartilhada, sobre o que é e como trabalha a mente humana; a postura ética assentada sobre a neutralidade e a renúncia à pretensão de ser o guru do paciente; a atenção às modalidades da transferência e o uso característico da interpretação que daí decorre.

Para concluir, uma menção à bibliografia de que se serve Girola. Ela vai agilmente dos clássicos ao atual, de Susan Isaacs a Laplanche e Pontalis, de Kohut a Nicole Zaltzman, de Santa Teresa de Lisieux a um artigo da revista Veja. O leitor é assim apresentado a alguns dos principais comentadores psicanalíticos, aprendendo com eles a ler os escritos fundamentais e a discernir toda a sua riqueza. Não é pouco, nestes dias de espessa ignorância em que o trabalho de entender é considerado inútil ou cansativo, porque seu ritmo não é do clipe de televisão, e sim o da paciente travessia de argumentos por vezes complexos. Enfim, este livro nos oferece uma mão amiga, que nos conduz com amabilidade neste passeio ao território sempre interessante da Psicanálise.

Leia mais ...

As pessoas Mudam?

Publicado em Outros

As pessoas mudam ou melhoram?

Mudar, melhorar, curar: é possível?

A pergunta abre duas possibilidades de entendimento. Pode esconder a angústia diante do “outro” que não muda e o desejo que ele possa mudar, ou então pode refletir a angústia diante da sensação de que mudar a si mesmo é muito difícil.

No meu livro “A psicanálise cura?” traço um percurso ao longo dos desenvolvimentos da teoria psicanalítica em busca da resposta que a Psicanálise dá em relação à possibilidade de “cura” de quem procura o processo terapêutico da análise.

Os termos mudança, melhoramento, cura, remetem à esperança que o ser humano possa dominar seus demônios internos e introduzem a primeira questão: o “desejo” de cura. Qualquer mudança supõe uma necessidade interna e um desejo de mudança. Neste sentido, não é possível mudar o outro. Apenas podemos apostar na possibilidade de mudar algo em nós mesmos, desde que percebamos a necessidade de mudar.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS