Endurecer sem perder a ternura...

Comportamento

 

É possível endurecer o coração sem perder a ternura, como dizia Che Guevara? Sinto que com a idade me endureci e perdi a ternura.

Entre o desencantamento e a decepção

A frase de Che Guevara: “Devemos nos endurecer sem nunca perder a ternura” nos remete a um paradoxo. Como é possível manter a ternura, mesmo quando é necessário endurecer o nosso coração?

Quando a vida nos decepciona, a reação espontânea costuma ser o endurecimento, que não é nada mais do que uma defesa do nosso mundo interno diante de uma intrusão violenta do mundo externo. Como a tartaruga se refugia em sua carapaça diante de uma ameaça externa, da mesma forma o nosso psiquismo se fecha e “endurece”, para ficar menos exposto à agressão.

O objetivo do movimento de endurecimento é de evitar que o nosso mundo interno (onde residem as emoções) fique à mercê da situação agressiva. O psiquismo se retrai para manter um distanciamento saudável da situação, não deixando que ela o “invada", provocando um colapso emocional.

Quem não consegue “endurecer” fica fusionado com a situação agressiva e é literalmente sugado para dentro dela, perdendo sua autonomia emocional. Quando isso acontece o sofrimento psíquico é intenso.

O endurecimento é portanto importante, desde que não se torne um fechamento narcísico dominado pelo ódio. O que faz a diferença é o grau de desencantamento. Se a decepção causa um afastamento da situação ou da pessoa que nos agrediu, o desencantamento tem efeitos mais destrutivos. O investimento emocional amoroso é retirado, para ceder o passo a uma sensação melancólica de luto e de perda.

Se o investimento emocional amoroso é retirado da situação ou da pessoa que nos magoou, não há mais possibilidade de ternura. Sentimentos melancólicos invadem o psiquismo, seguidos de uma necessidade incontrolável de “atacar” o objeto que causou a decepção. Trata-se de ataques sádicos e invejosos, geralmente com um intenso teor destrutivo, que não permitem a manutenção do “objeto” antes amado na esfera da afetividade amorosa. Estamos portanto falando de um luto malsucedido que se transforma em agonia melancólica diante do objeto perdido.

(1 Votar)
Visualizado 3193 vezes

Mais nesta categoria:

« Zumbis O trauma do desamparo »

Log in

fb iconFazer login com Facebook
Criar uma conta