Elite alienada ou alienação como condição?

Destaque
Comportamento

A Folha de São Paulo publicou no dia 03/10/2015 um artigo de  autoria de Eleonora de Lucena intitulado Prêmio Nobel ataca elite alienada e propõe mais impostos para os ricos. O economista em questão não é nenhum representante da “esquerda caviar” e tampouco um fã saudoso da antiga União Soviética como afirmam alguns desavisados e desinformados comentários postados no Facebook que, aliás, apenas confirmam a alienação à qual o título do artigo se refere.

Joseph Stiglitz é um economista norte-americano, autor de obras como "The Price of Inequality" (O preço da desigualdade) de 2012 e "Freefall" (Queda livre) de 2010, além de “The Great Divide” (A grande divisão), na qual o artigo se inspira. Stiglitz é um ex-executivo do Banco Mundial e fez parte do Conselho Econômico da administração Bill Clinton.

A tese central do economista é que a desigualdade social vem aumentando nos Estados Unidos, onde hoje 1% dos superricos detêm 25% da renda do país e 40% da riqueza, sendo que 25 anos atrás, eles abocanhavam apenas 12% da renda e 33% da riqueza. Como consequências de campanhas eleitorais cada vez mais milionárias, políticos e parlamentares fazem parte dessa superelite e atuam em função dela.

Alienada das condições sociais gerais, a elite vive numa bolha e não liga para o que acontece com a maioria no âmbito da saúde, da educação, da segurança e da infraestrutura, gerando efeitos perversos para o país. De acordo com Stiglitz, isso provoca, não apenas nos Estados Unidos, mas no mundo inteiro, um “fosso social fabricado” que impede a recuperação da economia, favorecendo uma oncentração de riqueza.

De alguma forma parece repetir-se a situação da França do fim do século XVIII. O rei e a nobreza viviam entre festas e banquetes no Castelo de Versailles, totalmente alienados do que acontecia nas ruas malcheirosas de Paris, até que um dia uma massa de pessoas iradas interrompeu suas festas, invadiu o castelo e cortou suas cabeças. Embora sob uma perspectiva diferente, o fenômeno talvez esteja se repetindo com a invasão de refugiados na Europa e em outras partes do mundo e, no Brasil, com as invasões de terras, de moradias e com o multiplicar-se dos moradores de rua.  

Simples assim, embora é claro sempre haverá “teorias” tentando justificar o status quo. O que chama a atenção do ponto de vista psíquico é que tudo isso confirma a tendência narcísica, que parece ser uma consequência dessa situação. A alienação contudo desta vez não parece afetar apenas os superricos, como afirma Stiglitz , mas também as camadas da população menos favorecidas, que deixaram de acreditar nas organizações de classe e de olhar para o coletivo e passaram a lutar num corpo a corpo em busca do seu lugar ao sol, no pátio sem luz da prisão que lhe foi imposta.

 

Última modificação em: Quinta, 11 Fevereiro 2016 11:53
(0 votos)
Visualizado 2557 vezes